‘Vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres’ falou um comunista

Esse mesmo esquerdista viveu por aqui, deixou sua mensagem, incomodou muitos e foi morto pela burguesia de sua época. Seu espirito foi embora pra um céu que é comunista, como todos sabem

– Vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres – falou um comunista.

– Vai pra Cuba! – respondeu um jovem rico, dando as costas ao sábio mestre que queria seguir.

Houve um comunista, certa vez, que pediu para ser seguido por um jovem, dono de uma startup de sucesso. Surpreso com o pedido, o comunista, que tinha fé nas pessoas, o provocou com a frase acima. Indignado, o jovem eleitor de Bolsonaro foi arrogante com o mestre e disse que jamais poderia deixar de lado as suas conquistas. De cara com aquele simpático comunista de 32 anos, o promissor empresário ainda falou sobre meritocracia, a necessidade do estado mínimo e o que havia de bom no neoliberalismo. O comunista, que não entendia bem aquilo tudo, nem quis discutir, continuou seu caminho e lamentou o fato do jovem, de aparente bom coração, não lhe ajudar na missão de lutar contra a desigualdade social.

O comunista, de nome incerto, sabia que tinha uma missão. Defendeu putas do julgamento da sociedade. Comeu com drogados, orou por eles. Andou lado a lado com a galera LGBT, lutou por seus direitos e fez muita gente entender que não havia existia problema nenhum, defeito nenhum naquelas pessoas.

O mestre comuna reuniu todos aqueles que estavam à margem da sociedade, não permitiu que fossem mortos pela crueldade do povo e salvou muita gente da depressão.

Durante campanha eleitoral, colocou no peito o número de uma candidata feminista do PSOL. Pediu votos para ela e reafirmou a necessidade de se lutar por um estado laico. Falou sobre a desmilitarização da polícia, sobre a arte, sobre os vendilhões da fé e afirmou que o seu Pai jamais admitiria o que está havendo.

Fez samba com Chico, com Caetano e com todo o proletariado. Ele esteve à frente do MST, lutou pelos índios, pelas cotas e deu aulas de história.

Por perturbar a ordem, o comunista foi morto em uma cruz. Sua morte foi transmitida ao vivo pelo Facebook de um deputado que defendia milícias no congresso há 30 anos. Após três dias, de forma inexplicável, o esquerdista ressuscitou e foi embora pra um céu que é comunista, como todos sabem. Antes de ir, ele prometeu que voltaria. E voltou. Várias vezes ao longo da história e ninguém nem percebeu.

Esse deputado sanguinário foi eleito presidente alguns anos depois. Em seu slogan de governo, o nome do Pai do comunista estava acima de todos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *