Não existe amor em Canaã

Orgasmos fingidos, tretas por nada, chatice nas redes. O amor que não se vê, o choro deixado na avenida… A gente podia ter se amado mais e falado menos. Ei, Criolo, em Canaã também não tem amor!

Caceta!

Tô sozinho aqui na Weyne. Putz, olhando pros dois lados, buscando teu rosto em meio a essa multidão de caras e bocas forçadas pra selfies sem fim. Puta que pariu, amor, cadê você? Já tá passando das 22h. A Chiquinho tá fechando já. Já tô ouvindo o sertanejo irritante da Conveniência e da GL zunirem alto. Ah, amor, cadê você? Falei contigo no zap há duas horas e você disse que tava saindo de casa. Tô te esperando há um tempão. As mensagens nem estão sendo mais entregues. Tá foda, amor.

Amor, posso te chamar assim? Tô começando a achar que não. Já são três meses de conversa. O histórico é enorme e a gente mal se viu. Não dá pra entender. De repente, amor, tudo o que a gente devia ter feito era se amar mais e falar menos. A gente fala pra caralho. Muito e mal. Os assuntos são atravessados, sem graça, sem nexo, mas eu me apaixonei. (Vou comer uma batata aqui no carrinho da praça enquanto divago sobre o que tá acontecendo).

Tô sozinho aqui e tá tarde. Tô vendo toda essa gente fingindo felicidade, fingindo amor… Tô olhando pro celular com 15% de bateria e vendo os chatos do Debate Político e do Portal Canaã brigando por nada: a turma machista fazendo cagada, os anarquistas defendendo Lula, a mulherada anti-feminista injetando veneno nas próprias veias. Cara, tá tudo muito chato. A gente mesmo, amor, é bem chato. Vamos combinar.

Acho até que é por isso que você decidiu nem vir. Não sei se a gente ia dar conta de sustentar um encontro, tendo que se olhar cara-a-cara tanto tempo. Acho que você nem ia querer transar, ao fim. Seria 0 x 0 de qualquer jeito; tô acostumado.

A Chiquinho fechou já faz um tempão. Tô sentindo o cheiro da cerveja vindo lá da GL já. Música alta da porra! Não vou arredar o pé daqui até que todas as esperanças estejam esgotadas. O carro da PM passou por aqui, patrulhando… Menos mal, aí nem tem marginal. Olha! Dois funcionários da Vale indo trabalhar – isso serve pra lembrar que tem gente pior do que eu, nem vou reclamar.

Sabe o que eu acho, meu bem? Tô achando que aqui ninguém ama pra valer. Acho que os orgasmos são fingidos, que as brigas são fúteis, que os interesses são os mesmos. Acho que ninguém nem vai ler esse textão, então vou falar: esse povo que debate nos grupos de Canaã é chato pra caramba; chato e burro. Pronto, falei. Foda-se.

Égua, 7% de bateria. Vou fazer uma última tentativa: “Tá vindo?”

Ó, que bacana! As mensagens chegaram. Dois traços azuis! Você leu!

Começou a digitar…

Começou a digitar…

Parou. Pq?

Termina. Só tenho 3% de bateria. Vai acabar.

Sem resposta. Sua foto do perfil sumiu.

Meu Deus, fui bloqueado.

A bateria acabou. Solto o choro preso e sofro, junto com a noite e com as estrelas, esse mal de solidão. Ninguém ama ninguém; aqui a vida não acontece. Vou deixar o choro na avenida, pensar no carnaval do ano que vem e seguir a pé pra casa.

Criolo, aqui ninguém vai pro céu também.

 

 

5 thoughts on “Não existe amor em Canaã

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *